FATORES QUE MAIS DESVALORIZAM UM CARRO NO MERCADO

Você já deve ter escutado a frase: “comprar carro é perda de tempo e dinheiro, pois desvaloriza muito rápido”.

Sim, entendemos que comparado a um imóvel isso está mais do que correto, porém carro nem sempre é um artigo de luxo e em alguns casos adquirir um carro é uma necessidade, seja ela para locomoção ou para ferramenta de trabalho.

Neste post vamos falar sobre os fatores que mais depreciam um veículo no mercado, para que você conheça o porquê ocorre essa desvalorização e quais são os modelos que mais perdem valor no mercado. Entre esses fatores estão:

  • O modelo escolhido;

  • Quilometragem;

  • Revisões;

  • Tempo de uso;

  • Cores do veículo e acessórios;

  • Conservação e modificações.

 

1. Modelo x marca

Ao pesquisar quais são os modelos e marcas de carros mais vendidos no Brasil algumas marcas se destacam por serem mais populares como: GM, Volkswagen, Fiat, e Ford.

Essas marcas se destacam por possuírem preços mais acessíveis e também mais facilidade de encontrar peças para comprar, porém existem outras marcas que estão gerando uma depreciação menor como Citröen, Renault, Toyota e Honda comparadas aos importados.

Nos importados a manutenção pode custar mais cara, comparado a outro modelo popular, pois a dificuldade de encontrar peças de reposição também é maior.

Por esse motivo é comum encontrar carros importados usados pela metade do preço de um novo, devido à depreciação. Isso não acontece com todos os importados, pois são apenas alguns modelos.

2. Quilometragem

Já vimos que a depreciação de um carro ocorre por vários motivos, e um deles é a quilometragem do veículo, que é um dos principais fatores a serem avaliados.

Todos nós sabemos que quanto mais rodado um veículo, mais desvalorizado ele será, pois mesmo que esteja em bom estado de conservação, algumas peças precisam ser trocadas com mais frequência.

Antes de comprar carros usados, o ideal seria levar a um mecânico de confiança, porém nem sempre é possível.

Por isso, antes de fechar negócio devemos analisar as condições do veículo, pois existem revendedoras ou pessoas de má fé que adulteram o Hodometro. (lembrando que isso é um ato ilegal e criminoso).

Muitas vezes a quilometragem pode ser alta, mas se as manutenções periódicas do carro não foram deixadas de lado, o estado de conservação provavelmente vai aparentar ser boa.

3. Revisões

Ao adquirir um carro seminovo, você não faz ideia do problema que ele possa ter. Às vezes pode não ter nenhum, porém pode ser uma bomba.

Nesse caso é importante fazer aquele check up para saber se há necessidade de trocar alguns itens que estejam danificados ou gastos.

A troca de alguns itens pode poupá-lo de diversos transtornos e prolongar a vida útil do seu carro usado. Confira alguns elementos importantes.

  • Analise os desgastes do banco

  • Volante

  • Pedais

  • Manopla do câmbio

  • Óleo, filtro de óleo e filtro de combustível.

  • Observe a pintura

  • Pastilha e discos de freio

  • Fluido de freio

 

Mas, de forma geral evite um carro muito desgastado, pois essa revisão deve ser feita a cada seis meses, mesmo que seu carro não seja “um carro de garagem”, ou seja, usado apenas para passeios.

O ideal é fazer a revisão a cada 10 mil quilômetros rodados para evitar desgastes excessivos e que diminuam o valor do veículo.

4. Tempo de uso

Existem pessoas que preferem trocar de carro todo ano, pois acreditam que quanto mais novo, maior a confiabilidade e menor o risco de ficar na estrada.

Além disso, os custos de manutenção são baixos e não há necessidade de substituir alguns itens, pois a quilometragem rodada é relativamente baixa.

Entretanto não tem problema se você preferir adquirir um carro usado, pois a depreciação ocorre mais com os carros importados e os de luxo que desvalorizam mais e em menor tempo.

Carros importados geralmente possuem manutenção mais cara, já os “populares” e veículos com reputação de grande resistência têm menor depreciação.

Seja realista e observe a tendência e as qualidades de um automóvel, sendo o mais moderno ou não, o importante é lhe ajudar no trabalho e não apenas lhe conferir status.

5. Influência da cor

Não se trata apenas de gosto pessoal, pois a cor do carro influencia no valor, e na depreciação também. Quem nunca ouviu falar que: “carro branco é taxi.”

Antigamente essa cor não era a preferência dos motoristas, porém hoje isso é apenas um mito, pois os carros brancos triplicaram as vendas nas últimas décadas.

A cor do automóvel pode influenciar no seu valor, pois quanto maior a demanda, menores serão os valores para a venda.

Devido a isso os carros populares – como o Fiat Palio, por exemplo – são mais baratos por ser um dos mais procurados. Essa lógica de oferta e procura também se aplica perfeitamente a cor do veículo.

Os carros brancos tendem a serem os mais caros. Na hora de revender os carros, as cores prata, preta e branca apresentam uma demanda maior do que qualquer outra cor.

6. Conservação e modificações

Assim que um carro sai da loja não tem jeito! Você perderá dinheiro quando for vendê-lo, pois o valor diminui bastante e todo carro tem uma expectativa de vida útil. Isso é chamado de depreciação.

A taxa de depreciação varia bastante. Porém, a conservação diminui a depreciação, ou seja, quanto mais cuidados você tiver, menor será a desvalorização com o passar do tempo.

Sendo assim, você conseguirá um valor melhor na hora de vendê-lo, por isso não deixe de levá-lo para as revisões.

No momento da revenda de seu automóvel é preciso avaliar se o carro possui riscos, batidas ou peças faltando. Esses pontos podem desvalorizar seu automóvel na hora da revenda.

Em geral, é preciso ter cuidado com o veículo enquanto não for a hora de passá-lo para frente.

7. Modelos que menos desvalorizam no mercado

Uma vez que são revendidos com mais facilidade, e não perde muito valor com a depreciação, os modelos compactos e médios são os primeiros no ranking de vendas.

Veja a seguir uma lista de carros usadoscom a marca x percentual de depreciação após um ano de uso:

  • Chevrolet Ônix: desvalorização em um ano: 7,6%

  • Ford Fiesta: desvalorização em um ano: 8,1%

  • Renault Sandero: desvalorização em um ano: 8,2%

  • Fiat Palio: desvalorização em um ano: 8,4%

  • Chevrolet Agile: desvalorização em um ano: 10,9%

  • Ford Ka: desvalorização em um ano: 9,9%

  • Fiat Uno: desvalorização em um ano: 9,5%

  • Fiat Strada: desvalorização em um ano: 9,6%

  • Citroën C3: desvalorização em um ano: 9,7%

  • Volkswagen Fox: desvalorização em um ano: 10,30%

 

Conclusão

A depreciação de um veículo é inevitável e ninguém quer perder dinheiro em uma negociação. Por isso, uma boa alternativa são os carros usados e bem cuidados, afinal, eles já passaram pela desvalorização inicial.

A última dica é visitar revendedoras. Busque por carros seminovos, pois com certeza você encontrará veículos populares em ótimo estado.

Por fim, lembre-se que é preciso pesquisar em várias lojas e não sair fechando negócio na primeira opção que surgir, pois certamente aparecerá uma ótima oportunidade devido à grande oferta no mercado.

Se esse artigo foi útil para você, compartilhe com seus amigos nas redes sociais e ajude-os a economizar na compra do seu próximo carro.